Descubra o que pode te impedir de receber o auxílio emergencial de R$ 150 a R$ 375

No próximo mês, o auxílio emergencial deve começar a ser pago. A expectativa é que o início dos repasses aconteça dia 5 ou 6 de abril. Neste ano, o governo fez um pente-fino que excluiu diversos cadastros, dessa forma, muitos beneficiários foram cortados e não terão o direito de receber a ajuda financeira.


Segundo, as regras que constam no site da Caixa, quem já está empregado ou recebendo seguro-desemprego ou ainda ganha algum benefício previdenciário ou assistencial (sem ser o Bolsa Família) ficará de fora dos pagamentos. A previsão é que os novos valores serão de R$ 150, R$ 250 e R$ 375, dependendo da composição de cada família.


O novo sistema leva em conta as informações de 11 base de dados, dentre elas a do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e a do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). De acordo com elas, não terão direito ao novo auxílio emergencial as pessoas que estão dentro de algumas das seguintes situações.


Quem não tem direito ao novo auxílio emergencial?

Quem pertence à família com renda superior a três salários mínimos (R$ 3.135) ou que a renda mensal por membro da família seja maior que meio salário mínimo (R$ 522,50);Quem está recebendo benefícios previdenciários, assistenciais ou benefício de transferência de renda federal (excluindo o Bolsa Família);Quem está recebendo seguro-desemprego;Quem tem emprego formal;Aqueles que receberam rendimentos tributáveis acima do valor de R$ 28.559.70 no ano anterior, de acordo com declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF).


Apenas uma pessoa por família

Durante 2020, no máximo duas pessoas da mesma família poderiam receber o auxílio emergencial, porém essa a regra foi alterada e agora apenas um membro da família pode receber o dinheiro. As mulheres e pessoas idosas são preferenciais no recebimento do benefício. O governo usará somente os cadastros feitos no ano passado, assim não haverá abertura de novos cadastros.


Com informações do site: Edital Concursos Brasil

Estou desempregado e meu auxílio emergencial foi negado. E agora?

Desde esta sexta-feira (2) já é possível ao trabalhador fazer uma consulta e saber teve seu auxílio emergencial aprovado. Mas, se na consulta constar que a pessoa tem um emprego formal, quando na verdade ela está desempregada?


Esta é a dúvida que a leitora Cind nos enviou:

O que fazer?


Segundo o Ministério da Cidadania, se o auxílio foi negado por constar que o trabalhador tem um emprego formal, será possível apresentar a contestação.
Para saber se está com algum tipo de vínculo empregatício no seu nome, consulte o serviço “Extrato de Contribuição (CNIS)” no aplicativo “Meu INSS” ou na “Carteira de Trabalho Digital” para ver se o vínculo empregatício consta como encerrado.
Caso não tenha sido encerrado, a recomendação do Ministério da Cidadania é para que o trabalhador procure o empregador para atualizar essa informação.
É possível apresentar a contestação no site https://consultaauxilio.dataprev.gov.br no prazo de até 10 dias após a divulgação do resultado da análise, desde que não tenha nenhum outro impedimento definitivo para o acesso ao auxílio emergencial.


Qual o valor do auxílio emergencial 2021?


• Pessoas que moram sozinha recebem R$ 150• Mulher provedora de família monoparental (mãe solteira) recebe R$ 375• Demais famílias recebem R$ 250


Quantas parcelas serão pagas?


Serão pagas quatro parcelas mensais a partir de abril.


Podem receber o auxílio


• Famílias com renda per capita de até meio salário mínimo (R$ 550) e renda mensal total de até três salários mínimos (R$ 3.300);


• Público do Bolsa Família poderá escolher o valor mais vantajoso entre os benefícios e receber somente um deles.


• Trabalhadores informais;


• Desempregados;


• Microempreendedor Individual (MEI).
Não podem receber o auxílio
• Trabalhadores com carteira assinada e servidores públicos;


• Pessoas que não movimentaram os valores do auxílio emergencial e sua extensão em 2020;
• Quem estiver com o auxílio do ano passado cancelado;


• Cidadãos que recebem benefício previdenciário, assistencial ou trabalhista ou de programa de transferência de renda federal, com exceção do Bolsa Família e do Pis/Pasep;


• Médicos e multiprofissionais;

• Beneficiários de bolsas de estudo e estagiários e similares;


• Quem teve rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2019 ou tinha, em 31 de dezembro daquele ano, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil;


• Cidadãos com menos de 18 anos, exceto mães adolescentes.


• Quem estiver no sistema carcerário em regime fechado ou tenha seu CPF vinculado, como instituidor, à concessão de auxílio-reclusão.


Com informações do site: Times Brasília

Nota de 1 real pode valer até R$ 300 para colecionadores

As notas de 1 real pararam de circular em 2005 e estão longes de serem esquecidas. Isso porque, quanto mais incomuns e antigas, mais elas podem valer para os colecionadores. Se você tem uma dessas guardada, talvez seja a hora de tirá-la da gaveta e garantir um bom dinheiro com isso. 


Nota de 1 real vale até R$ 275 para colecionadores

Em uma pesquisa rápida na internet você já consegue encontrar notas de 1 real sendo vendidas por diversos valores diferentes. Tudo vai depender da moldura que elas estão e estado de conservação. As notas mais caras são aquelas que ficaram pouquíssimo tempo em circulação e que não possuem riscos ou manchas. 
Algumas dessas notas se tornaram ainda mais valiosas por conta de erros de impressão, por serem fabricadas em outros países ou por existirem poucas em circulação.


Segundo o último estudo do Banco Central, ainda existem milhares de notas de 1 real, mesmo após anos do fim da sua fabricação. Isso se dá por conta que, além dos colecionadores, muita gente guarda as cédulas por acreditar que dá sorte ou simplesmente esquecem as notas.


Por isso, se você possui alguma nota de 1 real guardada, esse é o momento de verificar se ela está em boas condições, assim, você pode conseguir um ótimo dinheiro com ela. 


As notas de 1 real ainda valem?

Mesmo após pararem de circular, as notas de 1 real ainda podem ser utilizadas no comércio. Elas são substituídas com o tempo, conforme forem desgastando. 
As notas de 1 real deixaram de ser produzidas por conta do seu custo elevado na produção e ao rápido desgaste, já que eram muito comuns e tinham muita rotatividade. Por isso, o Banco Central resolveu optar pelas moedas de 1 real. 

Com informações do site: Foregon.

Decreto regulamenta pagamento do novo Auxílio Emergencial; serão quatro parcelas de R$ 250

O presidente Jair Bolsonaro editou decreto que regulamenta o pagamento do Auxílio Emergencial 2021, instituído no último dia 18 de março por meio de Medida Provisória. O texto foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União (DOU), na tarde desta sexta-feira (26).


O apoio financeiro será pago a trabalhadores informais de baixa renda e aqueles inscritos em programas sociais como o Bolsa Família, caso o novo benefício seja mais vantajoso. A previsão é que os pagamentos comecem a partir do dia 4 ou 5 de abril, segundo informou o próprio presidente em sua live semanal nas redes sociais.   
A nova rodada do Auxílio Emergencial pagará quatro parcelas com valor médio de R$ 250 cada uma. Esse valor pode chegar a R$ 375, no caso de famílias que tenham apenas a mãe como provedora, ou R$ 150, no caso de família unipessoal (formada por uma única pessoa).


Ao longo do ano passado, o auxílio chegou a atingir 68 milhões de pessoas, mas agora o novo programa deve atender, nas projeções do governo, cerca de 45,6 milhões de famílias. Essa redução se dá, segundo o governo, após o cruzamento de dados que concentrou as transferências no público considerado mais vulnerável.


Pelo decreto, as parcelas do auxílio serão pagas independentemente de novo requerimento, desde que o beneficiário atenda aos requisitos estabelecidos na Medida Provisória. O governo vai usar a mesma base de dados de quem se cadastrou para o programa no ano passado, pelo aplicativo ou pelo site da Caixa Econômica Federal, além daquelas pessoas inscritas no Cadastro Único de Programas Sociais (CadÚnico) e no Bolsa Família. Uma das novidades é o recebimento do benefício ficará limitado a um beneficiário por família.


Critérios


Os trabalhadores formais (com carteira assinada e servidores públicos) continuam impedidos de solicitar o auxílio emergencial. Além disso, cidadãos que recebam benefício previdenciário, assistencial ou trabalhista ou de programa de transferência de renda federal, com exceção do Bolsa Família e do PIS/PASEP, não fazem parte do público que receberá as parcelas de R$ 250. Para fins de elegibilidade, serão avaliados os critérios com base no mês de dezembro de 2020, informou o governo.


O novo auxílio será pago somente a famílias com renda per capita de até meio salário mínimo e renda mensal total de até três salários mínimos. Para o público do Bolsa Família, segue valendo a regra quanto ao valor mais vantajoso a ser recebido entre o programa assistencial e o auxílio emergencial 2021.Os integrantes do Bolsa Família receberão o benefício com maior parcela (R$ 375).


As pessoas que não movimentaram os valores do Auxílio Emergencial e sua extensão, disponibilizados na poupança digital em 2020, não terão direito ao novo benefício, assim como quem estiver com o auxílio do ano passado cancelado no momento da avaliação de elegibilidade para 2021.


O auxílio emergencial 2021 ainda prevê outros critérios de elegibilidade. Estão excluídos os residentes médicos, multiprofissionais, beneficiários de bolsas de estudo, estagiários e similares. Quem teve rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2019 ou tinha em 31 de dezembro daquele ano a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil, ou tenha recebido em 2019 rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte superior a R$ 40 mil, também não poderá solicitar o novo benefício.


Quem ainda não terá direito a receber o novo auxílio são pessoas com menos de 18 anos, exceto mães adolescentes, quem estiver no sistema carcerário em regime fechado ou tenha seu CPF vinculado, como instituidor, à concessão de auxílio-reclusão, quem tiver indicativo de óbito nas bases de dados do governo federal ou tenha seu CPF vinculado, como instituidor, à concessão de pensão por morte.


Da Agência Brasil

Aumento do Bolsa Família deve ocorrer após o fim do auxílio emergencial

De acordo com João Roma, Ministro da Cidadania do Brasil, em agosto o auxílio emergencial deve deixar de ser pago. Diante disso, ele afirmou que haverá um aumento do Bolsa Família. Com 14 milhões de beneficiários, o programa paga em média R$ 192 mensais atualmente, mas varia de família para família.
Esse valor não sofre reajuste há muitos anos. Portanto, o que a maioria recebe atualmente não garante a possibilidade de uma alimentação adequada. Sendo assim, o ministro informou que o governo pretende fazer um aumento no valor pago pelo programa, logo após o fim do auxílio emergencial, em meados de agosto.


Aumento do Bolsa Família deverá ocorrer após o fim do auxílio

emergencial

Assim como o valor do Bolsa Família é insuficiente, os R$ 250 de auxílio emergencial em 2021 também não são na visão do ministro. Ele diz ter consciência de que esse valor não é capaz de possibilitar que as pessoas fiquem em casa para evitar a transmissão da COVID-19, mas foi o possível no momento.


Uma cesta básica para 4 pessoas, incluindo alimentos e higiene, custa em média R$ 900. O auxílio emergencial de 2021, portanto, supre apenas 28% do valor da cesta básica. Lembrando que R$ 250 é o teto do auxílio emergencial. Quem mora sozinho receberá R$ 150. Por outro lado, mães chefes de família receberão R$ 375 de auxílio.
Além do aumento do Bolsa Família, o ministro João Roma informou que o programa social deverá ser mais efetivo. Inclusive há a possibilidade de unir o Bolsa Família a políticas públicas.

Com informações do site: Seu Crédito Digital

Cartão Nubank; Confira a nova forma para aumentar o crédito usando o saldo da conta

O Nubank liberou um novo recurso no aplicativo que permite aumentar o limite disponível no cartão, é a possibilidade de adicionar mais crédito por meio do depósito feito na conta. O recurso funciona como um “limite de crédito investido”, em que o saldo depositado é convertido de forma instantânea em limite de crédito no cartão Nubank.


No momento, o recurso está em fase de testes e por isso foi oferecido para somente alguns clientes da fintech, mas logo será disponibilizada para todos os usuários.A novidade é ideal para quem deseja ter mais limite disponível no cartão de crédito, mas enfrenta dificuldades para conseguir isso.


Como aumentar o limite do cartão Nubank com o saldo da conta?


Você pode checar se a função foi disponibilizada para você acessando a opção de “Adicionar mais limite” no aplicativo Nubank.

Para encontrar, siga o passo abaixo:
Faça login no aplicativo do Nubank;Selecione a opção de “Cartão de Crédito“;

Clique em “Ajustar limite“;Depois em “Pedir aumento de limite total“;Clique na opção “Adicionar mais limite”;

e Informe o valor que deseja converter em limite de crédito.


Também é possível acessar a opção por meio das configurações do aplicativo, no ícone de engrenagem que fica no canto superior direito da tela. Além disso, verifique se o app do Nubank está atualizado e depois olhe se a novidade foi disponibilizada para a sua conta.


Com informações do site: redebrasilnews

O pagamento da pensão alimentícia pode ser parcelado?

O pagamento da pensão alimentícia pode ser parcelado? Primeiramente, importante esclarecer que o pagamento parcelado da questão refere-se às parcelas em atraso. Ou seja, quando o pai deixa de pagar a pensão por um tempo e o valor se acumula.Já vimos em nosso blog que o valor da pensão não é absoluto. Os alimentos podem ser majorados ou reduzidos conforme a modificação da necessidade de quem recebe e/ou a possibilidade de quem paga.


Por tal motivo, quando o pai não consegue pagar a pensão, procura-se a princípio a redução do valor. Mas e a quantia atrasada devida, o que se faz? Esse é o “x” da questão do texto de hoje.


O pagamento da pensão alimentícia pode ser parcelado?

O art. 529, § 3º, do Código de Processo Civil (CPC) esclarece a dúvida:
§ 3o Sem prejuízo do pagamento dos alimentos vincendos, o débito objeto de execução pode ser descontado dos rendimentos ou rendas do executado, de forma parcelada, nos termos do caput deste artigo, contanto que, somado à parcela devida, não ultrapasse cinquenta por cento de seus ganhos líquidos.

Pela redação do dispositivo conclui-se que o pagamento da pensão alimentícia pode ser parcelado.

Exemplo


Imagine a seguinte situação: Fred tem a obrigação de pagar 250 reais mensais de pensão à sua filha Pedrita. Entretanto, o pai não pagou a pensão durante certo tempo, tendo 2500 reais em atraso.
Para não ser preso ou ter o nome incluído no SPC, Fred pode requerer o parcelamento. Neste caso hipotético, Fred recebe mil reais de salário. Então, de acordo com o art. 529, § 3º, do CPC, ele poderá ter descontado do seu salário mais 250 reais por mês para quitar as parcelas em atraso.Isto ocorre, pois continuará pagando os 250 reais mensais da pensão e só pode ter descontado por mês 50% dos seus rendimentos. 250 + 250 = 500 = 50% de 1000.


O pagamento da pensão alimentícia pode ser parcelado?


Assim, concluímos que o pagamento da pensão alimentícia pode ser parcelado e, por meio, de uma execução, até 50% de seus rendimentos líquidos do pai podem ser descontados para o cumprimento das parcelas vencidas. Nada impede ao pai pagar mais por mês, caso assim deseje.


Com informações do site:  direitodetodos

CAIXA define o calendário de pagamentos do auxílio emergencial com TODAS as datas

Atenção, trabalhadores. O calendário o auxílio emergencial já está definido, conforme informado anteriormente aqui no Notícias Concursos. A confirmação do calendário com todas as datas já definidas veio por meio do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães.


Segundo o gestor da empresa pública, o cronograma oficial de pagamento da nova rodada do benefício já está definido com todas as datas de liberação.
Para o calendário ser divulgado, será necessário passar pela validação do presidente Jair Bolsonaro, que entregará ao Congresso Nacional as medidas provisórias que autorizam o novo pagamento do auxílio emergencial.


Durante uma entrevista, realizada com o objetivo de explicar o lucro de R$ 13,169 bilhões do banco em 2020, o presidente da Caixa informou que o banco está mais preparado tecnologicamente para a realização de novos  pagamentos nas agências e por meio do aplicativo Caixa Tem.


“Do ponto de vista técnico, estamos preparados desde 2020, fazendo esse equilíbrio entre o pagamento nas agências e no digital, tendo como objetivo básico ajudar as pessoas a receber os recursos e evitar aglomeração”, disse Guimarães.
Ainda, de acordo com o presidente da Instituição financeira, o pagamento a 45,6 milhões de beneficiários será realizado com o mesmo molde do segundo semestre de 2020, com calendários escalonados para os trabalhadores informais e com o cronograma fixo do Bolsa Família para os inscritos no programa.


Auxílio emergencial em 2021 deve ter novas parcelas só em abril; um membro da família recebeA Caixa Econômica Federal deve divulgar o calendário de pagamentos do auxílio emergencial imediatamente após a publicação da medida. Os depósitos devem começar na primeira semana de abril, seguindo as quatro parcelas até o mês de julho.


As primeiras parcelas do benefício serão liberadas para o grupo dos cadastrados no CadÚnico, seguido pelos trabalhadores informais e depois, a partir do dia 16 de abril, os inscritos no programa do Bolsa Família serão atendidos.


O novo texto da Medida Provisória (MP) do auxílio emergencial irá definir novas regras, novos valores e nova quantidade de beneficiários. Entre as regras que já foram veiculadas nas últimas semanas, está o limite de pagamento do programa para apenas uma pessoa por família. O limite foi divulgado pelo Ministério da Cidadania.


Em 2020, o auxílio emergencial permitia o pagamento de até dois benefícios para cada família. No caso de família unipessoal, ou seja, para quem mora sozinho, o auxílio terá pagamento de R$ 150 por parcela. Famílias monoparentais, ou seja, de mães chefes de família, receberão pagamento de R$ 375 por parcela.E famílias que não são de apenas um indivíduo e não são chefiadas por apenas mulheres receberão pagamento de parcela de R$ 250.


Auxílio emergencial em 2021

Os valores do auxílio emergencial em 2021 foram confirmados. O Governo Federal programa pagar três valores diferentes: R$175, R$250 e R$375. Segundo informações do ministro Paulo Guedes:


Mães solteiras com filhos recebem o maior valor: R$375.Pais solteiros recebem o menor valor: R$175.O Governo parte do pressuposto de que os pais não moram sozinhos com os filhos.


Já os casais irão receber o valor médio: R$250. Neste caso, somente um deles vai receber o valor em questão. Isso significa dizer que uma mesma família com mais de um adulto não vai poder ganhar mais do que R$250.


O que pode te impedir de receber o auxílio emergencial

Neste ano, a nova rodada do auxílio emergencial passará por um pente-fino. A nova ferramenta impedirá que muitas pessoas recebam o benefício. De acordo com informações do governo, um cruzamento de 11 bases de dados de diversos órgãos, como INSS e Caged, será realizado.


Portanto, aqueles que estão empregados ou recebendo o seguro-desemprego, bem como os que são segurados por benefícios previdenciário ou assistencial (com exceção do Bolsa Família), estão  automaticamente vetados do novo programa, que deve ser pago a partir deste mês.


De acordo com uma publicação da Caixa Econômica Federal, alguns grupos já estão excluídos das novas parcelas. Esses são aqueles que se encaixam nos seguintes requisitos:


Quem não tem direito ao auxílio emergencial?

Aqueles que pertencem à família com renda superior a três salários mínimos (R$ 3.135,00) ou cuja renda mensal por pessoa da família seja maior que meio salário mínimo (R$ 522,50);Tem emprego formal;Está recebendo seguro-desemprego;Está recebendo benefícios previdenciários, assistenciais ou benefício de transferência de renda federal, excluindo o Bolsa Família;Recebeu rendimentos tributáveis acima do teto de R$ 28.559.70 no ano anterior, conforme declaração do Imposto de Renda.É importante lembrar que, no máximo duas pessoas da mesma família poderão receber o auxílio emergencial.Se na mesma família tiver mais de duas pessoas com trabalho informal, apenas duas pessoas serão contempladas com o pagamento. Portanto, terão preferência para o recebimento do auxílio:

  • Mulheres;
  • Pessoas mais velhas;
  • Com renda individual mais baixa; ou
  • Em caso de desempate, a Caixa considera a ordem alfabética no primeiro nome.

Com informações do site: noticiasconcursos

Banco Santander anuncia inscrições com mais de MIL vagas de estágio com salários altos e inscrições será online.

O Santander anunciou mais de 1.200 vagas de estágio em empresas clientes pelo programa Universitário-Empresas Santander. Nesta sétima edição do programa, o banco oferece as vagas com remuneração de R$ 1 mil cada. O estágio possui duração de quatro meses e carga horária de quatro horas diárias.

Além da seleção dos estagiários, o Santander revela que todos os inscritos receberão uma bolsa de estudos para o curso Próximos Passos. Este curso é voltado para apoiar a carreira profissional dos estudantes e possui certificação pela FIA USP e Santander.

A iniciativa é uma realização do Santander Universidades em parceria com a Programa Avançar, que já beneficiou ao longo de sete anos, mais de 4,3 mil universitários ao garantir as primeiras experiências no mercado de trabalho.

Esta bolsa é copatrocinada: o banco paga R$ 500 e a empresa contratante paga o restante. Desde o primeiro ano, o Programa disponibiliza mais de mil bolsas ao ano. De acordo com o Santander, metade dos estagiários são efetivados ou possuem o contrato renovado após o término da bolsa.


A conexão com as empresas que oferecem as oportunidades é realizada pelo Programa Avançar. As empresas que estão interessadas em oferecer um estágio podem se inscrever no site da Universia Jobs. Para isso, há necessidade se seguir os critérios que constam no regulamento.

O head do Santander Universidades, Nicolás Vergara, alega que conseguir estágio no cenário atual tem sido um desafio. Diante desta situação, ele entende a importância do Universitário Empresas.

Vergara alega que houve aproximação das duas pontas — de quem precisa de apoio na contratação de um estagiário e de quem busca acessar o mercado de trabalho pela primeira vez.
De acordo com o diretor de Negócios e Empresas, Franco Fasoli, a instituição busca acelerar a retomada dos negócios. Ele entende que disponibilizar um estagiário pode ser uma das maneiras de facilitar esse processo.


Onde se inscrever para as vagas de estágio pelo Santander


Estudantes de qualquer curso universitário ou região do Brasil podem se inscrever até dia 31 de outubro. Os interessados poderão tentar uma das vagas ofertadas no site da Universia Jobs.

Com informações do site:  redebrasilnews

Nubank pode cancelar o cartão por Fraudes no pagamento da fatura; Veja

Usuários do cartão de crédito Nubank que recorrem a truques na hora de pagar a fatura podem ter o serviço cancelado. A decisão foi anunciada pelo banco digital após inúmeros casos de pessoas pagando os gastos com o “roxinho” utilizando o limite da própria ferramenta.

A irregularidade acontece da seguinte forma: por meio de carteiras digitais, como PicPay, Mercado Pago e Recarga Pay, o usuário adia o valor devido, sem correção monetária.Ou seja, ele fica livre das cobranças relacionadas aos encargos financeiros, como multa e rotativo.

Ademais, a prática permite ainda que o usuário deposite na conta do Nubank através de boleto bancário o limite disponível no cartão, com transferências sem juros. Em resposta a esse comportamento, o Nubank emitiu o seguinte alerta:
“O uso do cartão para pagamento da própria fatura ou para depósitos na NuConta poderá ser considerado indevido e poderá acarretar no bloqueio ou cancelamento do cartão.”

Ainda segundo a empresa, tal prática é definida como quebra de contrato entre cliente e instituição financeira.Sendo assim, fica permitido o cancelamento do serviço a qualquer momento pelo banco. Como alternativa para aqueles com dificuldade em pagar a fatura, o Nubank sugere a opção de empréstimo pessoal, que conta com carência e prazo estendido para pagar.

Com informações do site:  redebrasilnews